Aqui listamos algumas das perguntas mais frequentes sobre o transplante de medula óssea:

Introdução - Equipe ICT
O que é o transplante de medula óssea?
Indicações para o transplante de medula óssea:
Como coletar as células-tronco que serão utilizadas no transplante autólogo?
Qual a duração deste procedimento?
É necessário permanecer internado durante todo o procedimento?
Durante quantos dias há necessidade de internamento durante o transplante autólogo
Resultados com o transplante de medula óssea:
Futuro do transplante de medula óssea:

 

 

 

 

 

Atualmente, nos transplantes autólogos, damos preferência ao uso de células-tronco (ou células-mãe do sangue) colhidas do sangue periférico (CTP). As principais vantagens são maior rapidez da pega do transplante e menor período de pancitopenia (células sanguíneas baixas) após a quimioterapia de condicionamento.
A seguir, será descrito o procedimento de coleta de CTP:

1) há necessidade de um cateter central, para administração dos medicamentos e coleta de sangue. Caso o paciente não tenha em uso um cateter de Hickman ou um Port-a-cath, será necessário um procedimento (realizado por um cirurgião vascular) para a colocação de um deles;

2) após, será administrada uma quimioterapia (em geral um agente alquilante denominado ciclofosfamida) em doses mais altas que o convencional. Esta quimioterapia provocará acentuada queda das células normais do sangue, provocando pancitopenia. O principal objetivo será reduzir ainda mais o número de células neoplásicas que eventualmente ainda existam na medula óssea ou circulantes no sangue. Outro será aumentar o número de CTP a serem colhidas, quando da recuperação da hematopoese, ou seja, quando as células do sangue começarem a retornar aos seus valores normais.

3) quando as células do sangue estiverem próximas de seu valor mais baixo (o que será possível detectar pelos exames de hemograma), será administrado diariamente um medicamento capaz de estimular a sua recuperação, chamado Granulokine (G-CSF).

4) sempre através do hemograma, ao percebermos que as células do sangue começam a se recuperar, será realizado um exame de “contagem de teste das células CD34 positivas”, que representa a quantidade de células tronco que serão colhidas. Quando este nível for considerado adequado através de contagens realizadas em um aparelho denominado citômetro de fluxo, será possível estabelecer a data da coleta.

5) para a coleta das CTP, que é realizada com o auxílio de uma máquina de aférese, é preciso um fluxo de sangue relativamente alto, sendo necessário veias calibrosas em ambos os braços ou o implante de um outro cateter específico. O número de aféreses é determinado pela quantidade de células a serem coletadas, mas excepcionalmente são necessárias mais de duas aféreses (uma aférese por dia). O número de células é contado pelo mesmo citômetro de fluxo previamente citado.

6) após a coleta, as células-tronco são congeladas e estocadas em temperatura muito baixa, podendo ai permanecer por longo tempo, até sua reutilização ao tempo do transplante.